Soro antiapílico contra picadas múltiplas de abelha

Após dez anos de estudos e testes, o Brasil está se preparando para ser o único país do mundo a produzir o soro antiapílico – contra múltiplas picadas de abelhas. Os pesquisadores responsáveis pelo projeto, Marcelo Abrahão Strauch, do Instituto Vital Brazil (IVB), e Rui Seabra Ferreira Júnior, do Centro de Estudos de Venenos de Animais Peçonhentos (Cevap) da Universidade Estadual Paulista, querem submeter, ainda este ano, ao Ministério da Saúde e à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os relatórios com os resultados positivos alcançados nos ensaios clínicos da primeira fase, que envolveram testes em 20 pessoas mordidas por muitas abelhas.

A fase 3 de testes será iniciada após a aprovação do ministério e da Anvisa e prevê o recrutamento de 150 a 200 pessoas que tiveram múltiplas mordidas de abelhas, atendidas em 32 hospitais pertencentes à rede nacional de pesquisa pública.

Os resultados das pesquisas farmacológicas com o soro antiapílico serão apresentados por Marcelo Abrahão Strauch no Congresso Mundial de Toxinologia, que será realizado na Argentina, em setembro.

A primeira fase avaliou a segurança do produto, por se tratar de um medicamento novo, e o ajuste de dose. A fase 3 vai observar a garantia da segurança e a eficácia do soro, disse Rui Ferreira Júnior, em entrevista à Agência Brasil.

Caso tudo corra bem na nova fase, a previsão é que o soro seja disponibilizado para a população entre 2021 e 2022. Após os ensaios da fase 3, os resultados serão novamente submetidos à Anvisa, para que o registro do produto possa ser efetuado.

Imagem e Fonte: https://tvcidade10.com.br/index.php/2016-04-01-14-03-46/variedades/item/4307-brasil-conclui-testes-de-soro-inedito-para-picadas-multiplas-de-abelha

Grupo de trabalho estudará estratégias para promover consumo do mel no Estado

Na primeira reunião do ano, a Câmara Setorial da Apicultura constituiu um grupo de trabalho, formado por produtores, técnicos da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), pesquisadores e outros especialistas, para definir estratégias de promoção do consumo do mel no Rio Grande do Sul.

A percepção é de que o público geral tem pouco conhecimento a respeito do mel produzido no Estado. “Há tanto a divulgar sobre a qualidade do mel gaúcho, seus diferentes tipos, de acordo com a floração e localização geográfica, além dos principais polos produtores”, enumera o coordenador das Câmaras Setoriais da Seapdr, Paulo Lipp.

Entre as sugestões levantadas e que serão aprofundadas pelo grupo de trabalho estão campanhas publicitárias de promoção do mel e a inserção do produto na merenda escolar da rede pública estadual. O grupo de trabalho se reunirá em 17 de julho para definir todas as propostas de ação, que serão apresentadas na próxima reunião da Câmara, com data a ser definida.

Imagem e Fonte: https://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/apicultura-2089/grupo-de-trabalho-estudara-estrategias-para-promover-consumo-do-mel-no-estado-185177

10 Dicas de como aumentar a produção de mel!

A Associação ABELHA tem muita informação sobre a atividade, e criou até um manual com 10 dicas para cuidar dos apiários. São elas:

  1. Estabelecer uma programação anual de manejos
  2. Nunca se esquecer da importância de preparar as colmeias antes do início das floradas
  3. Manter apiários com um número de colmeias adequado para alta produção, mesmo que sejam poucas.
  4. Trocar as rainhas a cada ano por rainhas selecionadas.
  5. Iniciar a alimentação suplementar de estimulação 50 dias antes da florada.
  6. Durante o manejo, para estimular o crescimento das colmeias, atentar-se à importância de ampliar o espaço das caixas sempre que necessário para que as colmeias não enxameiem.
  7. Durante a florada, revisar as colmeias a cada sete dias de forma rápida e cuidadosa.
  8. No caso de apiários migratórios, com intervalos entre as floradas, instalar o apiário na próxima área pelo menos 40 dias antes do início da floração.
  9. Manter o registro de produção por apiário (e não por colmeia) é fácil e permite ao apicultor ter noção de sua produção média por colmeia.
  10. Usar fotografias e filmagens nas colmeias é uma ótima maneira de registrar o comportamento das abelhas.

Os detalhes sobre cada uma das dicas estão na página da associação na internet, que conta também com uma biblioteca que reúne publicações sobre a legislação e outras informações valiosas para quem quer produzir mel. Acesse o link abaixo e saiba mais!

https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2019/04/14/veja-10-dicas-para-melhorar-a-producao-de-mel.ghtml

Médico encontra abelhas vivendo dentro do olho de mulher

Médicos encontraram quatro abelhas vivas dentro do olho de uma mulher em Taiwan, o primeiro incidente do tipo registrado na ilha.

A mulher de 28 anos, identificada somente como “senhora He”, estava arrancando ervas daninhas próximas a túmulos de parentes quando os insetos voaram em direção ao seu olho esquerdo.

Hong Chi Ting, médico do Hospital Universitário de Fooyin, onde ela foi atendida, disse à BBC News que ficou “chocado” quando puxou os insetos de 4 milímetros.

He já recebeu alta e a expectativa é de que tenha uma recuperação completa.

Imagem e Fonte: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/04/11/medico-encontra-quatro-abelhas-vivendo-dentro-do-olho-de-mulher-em-taiwan.ghtml

Tender com Mostarda e Mel

Mais uma receita típica de natal!

Ingredientes

  • 2 colheres (sopa) de mostarda
  • 3 colheres (sopa) de mel
  • Uva Itália (cerca de 15 grãos)
  • 200 g de cerejas frescas (ou em conserva)
  • 1 manga média cortada em cubos
  • 100 g de nozes picadas
  • Cravo-da-índia para decorar
  • Cebolinha verde picada para decorar
  • 1 Tender
  • Papel alumínio

Modo de Preparo

  1. Prepare uma mistura com a mostarda e o mel, mexa bem e reserve.
  2. Faça cortes quadriculares no tender, espete cravos nas junções e lambuze-o com a mistura de mostarda e mel. Leve ao forno preaquecido (180ºC) coberto com papel alumínio por 25 minutos. Vá regando o tender com o caldo que se formar no fundo.
  3. Retire o tender do forno e remova o papel alumínio. Junte parte das frutas (sem a calda) em torno dele para que sejam aquecidas também e volte ao fogo baixo por mais 10 minutos.
  4. Coloque o Tender em uma travessa, decore com o restante das frutas e a cebolinha e sirva.

Imagem e Fonte: http://acarnequeomundoprefere.com.br/receitas/tender-com-mostarda-e-mel

Pesquisadores desenvolvem “vacina” para abelhas

Cientistas da Universidade de Helsinque, na Finlândia, desenvolveram a primeira vacina comestível para abelhas contra infecções microbianas, na esperança de salvar pelo menos alguns dos polinizadores. Isso porque, um número crescente de abelhas morre a cada ano devido a pesticidas, habitats em extinção, má nutrição e mudanças climáticas, com consequências potencialmente desastrosas para a agricultura e a diversidade natural.

“Podemos estar agora em um ponto crítico, mesmo sem perceber”, disse Dalial Freitak, cientista chefe do projeto, em uma entrevista na quarta-feira. “Estamos tendo os serviços de polinização como garantidos há tanto tempo. Esses insetos não estão lá, estão desaparecendo”, comentou o pesquisador.

A primeira vacina inocula abelhas contra a foulbrood americana, uma doença disseminada globalmente que pode matar colônias inteiras e cujos esporos podem permanecer viáveis por mais de 50 anos. A tecnologia pode, no futuro, ser usada para combater doenças fúngicas e outras infecções bacterianas.

Nesse cenário, a vacina é administrada por meio de uma empada de açúcar comestível que está suspensa na colmeia para que a rainha consuma de sete a dez dias. Depois de ingerir os patógenos, ela é capaz de desencadear uma resposta imunológica em seus filhos, gerando uma colmeia protegida.

A vacina ainda precisa de muito trabalho antes de se tornar comercialmente disponível e os cientistas devem garantir que é seguro para o meio ambiente, para as próprias abelhas e para os seres humanos que consomem o mel. Os obstáculos regulatórios levarão anos para serem resolvidos, sendo que também é cedo para estimar quanto os apicultores terão que desembolsar para comprar colmeias inoculadas, disse Freitak.

A vacina ainda precisa de muito trabalho antes de se tornar comercialmente disponível e os cientistas devem garantir que é seguro para o meio ambiente, para as próprias abelhas e para os seres humanos que consomem o mel. Os obstáculos regulatórios levarão anos para serem resolvidos, sendo que também é cedo para estimar quanto os apicultores terão que desembolsar para comprar colmeias inoculadas, disse Freitak.

Imagem e Fonte: https://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/apicultura-2089/pesquisadores-desenvolvem-vacina-para-abelhas-179020

Vitória proíbe agrotóxico que mais mata abelhas

A Câmara de Vereadores de Vitória, capital do Espírito Santo, aprovou o Projeto de Lei nº 102/2018, do vereador Fabrício Gandini (PPS), que proíbe o uso de agrotóxicos à base de neonicotinoide.

De acordo com o autor da proposta, o objetivo da proibição é impedir a morte de abelhas, visto que os agrotóxicos à base de neonicotinoide são extremamente letais para as colônias. Inclusive, este é um dos inseticidas mais usados no mundo -, o que não impediu todas as nações membros da União Europeia a também proibirem totalmente seu uso no início deste ano.

Um estudo recente sugere até que as abelhas estão ficando viciadas no neonicotinóide, que é uma classe de inseticida derivado da nicotina. “Eles descobriram que, embora as abelhas preferissem o alimento livre de pesticidas no início, com o tempo elas se alimentaram mais, exatamente, da comida com pesticidas”, afirma o estudo estudo produzido por uma equipe da Imperial College London e da Queen Mary University, ambas instituições britânicas.

Ainda segundo a pesquisa, as abelhas iam atrás dos alimentos com pesticidas mesmo quando as posições dos comedouros eram alteradas, sugerindo que elas conseguem detectar o pesticida dentro dos alimentos.

Em Vitória, um passo foi dado para reverter esse problema, enquanto há tempo. A lei já foi publicado no Diário Oficial.

Imagem e Fonte:  https://ciclovivo.com.br/planeta/meio-ambiente/vitoria-proibe-agrotoxico-mata-abelhas/

Bolacha de Mel

Entre no clima de natal e faça essas deliciosas bolachas de mel!

Ingredientes

  • 1/2 xícara de açúcar refinado
  • 1/2 xícara de açúcar mascavo
  • 1/2 xícara de mel
  • 1/2 colher de café de noz-moscada em pó
  • 1/2 colher de café de cravo em pó
  • 1/2 colher de café de canela em pó
  • 1 unidade de Ovo
  • 1 unidade de gema
  • 1/2 xícara de chá de óleo
  • 1/2 xícara de chá de leite
  • 1 colher de sopa de sal amoníaco
  • 2 kg de farinha de trigo

 

Modo de Preparado

  1. Misture numa panela o açúcar refinado, o mascavo, o mel, a noz-moscada, o cravo e a canela e leve ao fogo. Misture com delicadeza até os ingredientes formarem um caldo homogêneo. Nunca deixe ferver.
  2. Numa bacia misture o ovo, a gema, o óleo, o leite e o sal amoníaco e bata tudo com um fouet (batedor especial). Adicione o caldo preparado na panela e dois terços da farinha, e continue batendo por alguns minutos. Cubra e deixe descansar por, ao menos, duas horas em temperatura ambiente.
  3. Retire e amasse adicionando aos poucos o restante da farinha, até a massa ficar homogênea.
  4. Estique-a com um rolo até formar uma camada de 3 a 4 milímetros.
  5. Após recortar a massa com forminhas de diferentes formatos, disponha as bolachas numa travessa coberta com papel manteiga e asse por 10 minutos a 180 graus.
  6. Use glacê real para decorar.

Imagem e Fonte: https://www.gazetadopovo.com.br/bomgourmet/receitas-pratos/bolachas-de-mel/

Arábia Saudita aprova importação de mel do Brasil

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa¬) recebeu nesta segunda-feira (19) comunicado de que as autoridades sauditas aprovaram o modelo de Certificado Sanitário Internacional (CSI) para a exportação de produtos apícolas (mel, propólis, cera).

A aprovação é fruto de gestões feitas pelo Mapa junto à Saudi Food and Drug Authority (SFDA), com apoio do adido agrícola no país, Marcelo Pinto. Missão técnica realizada ao país no último mês de outubro foi liderada pelo secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Luís Rangel, quando houve avanços nas negociações com a SFDA.

É mais um mercado aberto para o Brasil, que auxilia na diversificação da pauta de produtos e na ampliação da participação do país no agronegócio internacional”, afirmou o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do ministério, Odilson Ribeiro e Silva.

Segundo Odilson Silva, a próxima etapa é o envio da lista de estabelecimentos brasileiros que desejam exportar produtos apícolas à Arábia Saudita.

O processo se encontra-se no Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) para oficializar o modelo de certificado.

Imagem e Fonte: https://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/apicultura-2089/arabia-saudita-aprova-importacao-de-mel-do-brasil-178191

Colmeias inteligentes ajudam a frear o desaparecimento de abelhas

A redução na população de polinizadores no mundo inteiro vem acontecendo em níveis assustadores nas últimas décadas – e os seres humanos parecem não ter percebido a importância destes seres para garantir a segurança alimentar global. As abelhas são responsáveis pela polinização de um terço da oferta mundial de alimentos. Dos 100 tipos de colheita que alimentam 90% da população global, 70 são polinizados por elas.

A Oracle e o The World Bee Project anunciaram uma iniciativa inédita para facilitar a compreensão do desaparecimento de abelhas e a proteção da espécie. O novo programa usa tecnologia em nuvem para compreender os hábitos das abelhas.

Chamado de “The World Bee Project Hive Network”, o projeto coleta dados a partir de uma rede de colmeias conectadas. Em seguida, os dados serão enviados para o sistema da Oracle Cloud e avaliados com ferramentas de analytics como inteligência artificial (IA) e visualização de dados para dar aos pesquisadores novas informações sobre a relação entre as abelhas e o meio ambiente.

Por meio do projeto, os pesquisadores poderão “escutar” as abelhas – analisar dados acústicos complexos captados dentro das colmeias inteligentes, incluindo os movimentos de suas asas e patas. Com o auxílio de outras medições de alta precisão – incluindo temperatura, umidade e produção de mel – os pesquisadores poderão monitorar os enxames de perto, detectar padrões e prever comportamentos.

Assim, conservacionistas e apicultores poderão proteger as colônias e evitar, por exemplo, a enxameação na época errada ou protegê-las contra predadores como assustadora a vespa asiática. Os dados irão informar os apicultores sobre as diferentes condições das colônias ao longo do ano para ajudar no manejo das colmeias.

“A proteção das abelhas e de outros polinizadores pode ajudar na solução de problemas relacionados à pobreza e ao abastecimento global de alimentos, bem como na redução da perda de biodiversidade e dos danos aos ecossistemas”, explica Sabiha Rumani Malik, fundadora e presidente executiva do The World Bee Project CIC.

O projeto, segundo ela, irá conscientizar cada vez mais pessoas sobre a importância da preservação dos polinizadores, além de permitir pesquisas avançadas e ações em larga escala. “Quanto mais aprendermos sobre as relações entre polinização, alimentos e bem-estar humano, maior será o nosso empenho na proteção das abelhas e de outros polinizadores. Assim, ajudaremos na proteção do planeta e de nós mesmos”, completa.

Os dados e informações obtidos com o uso da Oracle Cloud serão disponibilizados para projetos de pesquisa e conservação voltados à proteção das abelhas no mundo todo. A iniciativa The World Bee Project Hive Network compartilha recursos e promove parcerias com o objetivo de aumentar seu impacto e criar ações mais abrangentes para a preservação das abelhas. No futuro, os parceiros esperam poder usar TI de ponta e outros conhecimentos para apoiar a intensificação ecológica.

Para John Abel, diretor de projetos da Oracle Cloud, “a tecnologia está mudando as regras das iniciativas de preservação”. “Com o uso de tecnologia de nuvem, o World Bee Project terá pela primeira vez acesso a informações globais e atualizadas sobre a saúde das abelhas. Os pesquisadores terão as informações necessárias para trabalhar junto a governos e apicultores para frear o declínio do número de abelhas no mundo todo”, aponta.

Imagem e Fonte: https://www.tecmundo.com.br/mobilidade-urbana-smart-cities/135811-colmeias-inteligentes-ajudam-frear-desaparecimento-abelhas.htm